Vendas online: entenda em 3 dicas como vender seus produtos pela internet!

0
688

Em um ano completamente atípico, em razão da pandemia do novo coronavírus, muitas empresas foram obrigadas a adaptarem suas operações para se manter funcionando.

Para as vendas, isso resultou em um grande aumento nos esforços de e-commerce, tendo em vista que os consumidores não poderiam mais sair de casa.

Patrocinado

Porém, mesmo em tempos normais, já era possível entender que cada vez mais as pessoas escolhiam fazer suas compras por meio de seus smartphones e computadores. Por isso, se você possui algum tipo de comércio, não vender na internet quer dizer uma possibilidade de renda a menos. Mas se você ainda não possui um comércio, saiba que abrir uma loja online é uma ótima ideia para se tornar um empresário individual. 

Mas se você quer entender mais sobre esse segmento que não para de crescer, elaboramos aqui um breve guia sobre o tema. Além disso, trouxemos algumas dicas para você começar a sua operação, e não cometer alguns erros comuns no processo.

O que são vendas online?

Vendas Online

As vendas online, como o nome indica, são uma modalidade de comércio focada no mundo digital. Considerando um contexto histórico, é possível dizer que esse é um tipo de atividade relativamente recente, tendo surgido primeiramente com o lançamento do site da Amazon.

Enquanto em um primeiro momento muitas pessoas ainda tinham receio em comprar pela internet, hoje, em um cenário mais avançado e popular, está cada vez mais comum para o brasileiro fazer suas compras online. 

Isso pode ser percebido pelos dados divulgados pela pesquisa da Ebit/Nielsen em 2020: o setor de e-commerce recebeu 90,8 milhões de pedidos no 1º semestre do ano, alta de 39% em comparação com o período anterior.

Algumas justificativas para tamanha popularidade estão em questões principalmente envolvendo a conveniência e o preço oferecido em lojas online.

Como funcionam as vendas online?

Com o sucesso do formato, é natural que você busque as vendas digitais como (mais) um canal para seu comércio. Porém, esse modelo também exige alguns cuidados e conhecimentos específicos sobre o funcionamento da operação.

Primeiramente, você precisará de um local para disponibilizar o seu catálogo de produtos ao cliente. Isso pode ser feito por meio de uma plataforma de vendas própria, feita por um programador e web designer, ou em um marketplace, como o Mercado Livre.

Nessa etapa, cabe a cada empresa entender o melhor formato para sua operação. Por um lado, ter o próprio site permite a personalização da identidade visual e da experiência do usuário, mas também traz a dor de cabeça de se preocupar com servidores, por exemplo. 

Em um marketplace, todas as funcionalidades já estão disponíveis, mas você dependerá das políticas de cada plataforma. Isso quer dizer limitações na exposição dos produtos e ceder parte do lucro para o serviço.

Em questão de logística, você precisará de uma forma de fazer o produto chegar no consumidor. Por isso, as opções mais comuns são as transportadoras particulares e os correios.

Vendas online x vendas tradicionais

vendas online

Quando se compara o modelo tradicional, com as vendas online, fica bem claro o motivo de diversas lojas escolherem a segunda opção como o único canal, ou até mesmo um complemento às operações físicas. 

Listamos a seguir algumas vantagens para do comércio eletrônico para o empreendedor:

  • Disponibilidade maior – não precisar se limitar aos horários comerciais permite que vendas sejam feitas a qualquer momento. Isso oferece mais praticidade para o cliente, e mais possibilidade de vendas;
  • Investimento inferior – o modelo digital não exige aluguel de um espaço físico e vendedores para o funcionamento, resultando em menos dinheiro gasto;
  • Venda de acordo com a demanda – o risco de perda de investimento em estoque é menor pois o modelo online permite a venda de produtos customizados de acordo com as vendas;
  • Alcance maior – o modelo de comércio online permite que as lojas vendam para qualquer local do Brasil (ou até do mundo). 

Leia também: Como implementar uma estratégia de CRM no seu negócio

Como vender nas redes sociais?

É possível dizer com segurança que a maior parte dos leitores deste artigo passam um tempo considerável todos os dias nas redes sociais. Por isso, é comum também nos depararmos com diversos anúncios de produtos enquanto navegamos.

Patrocinado

Pensando nesse conhecido sucesso, a inclusão de funções de marketplace nas principais mídias sociais parece um passo lógico, não é mesmo? Por isso, se você está investindo em vendas online, é muito interessante que também considere as redes como um canal de comércio, especialmente o Facebook e Instagram.

Como vender no Facebook 

Considerada a rede social mais usada no mundo, segundo dados do site We Are Social, em seu relatório Digital in 2019, o Facebook se apresenta como um dos principais canais de vendas disponíveis no mercado.  Com seu próprio marketplace, a rede permite que qualquer pessoa anuncie seus produtos com facilidade.

Por meio do Facebook Ads, ferramenta de anúncio inclusa na plataforma, qualquer negócio pode se posicionar e divulgar seus produtos com relativa facilidade, além das avançadas opções de segmentação disponíveis, onde a grande quantidade de dados adquiridos pela plataforma são usados para selecionar o melhor público possível.

Por isso, o Facebook ainda é uma opção muito interessante para buscar clientes, especialmente no Brasil, considerando que é o local em que muitas pessoas ainda acessam diariamente.

Como vender no Instagram

O Instagram é uma ótima oportunidade para comercializar seus produtos, especialmente devido a sua seção de marketplace. Com um alto destaque na página inicial da plataforma, essa seção também facilita o processo de anúncio.

Assim como no Facebook, o Instagram Ads também utiliza segmentação avançada, só que com o diferencial das hashtags, ajudando você a chegar em clientes ideais, só que claro, com um custo.

Além de vender, a sua empresa pode também investir em estratégias de reconhecimento de marca, usando as funções do feed e stories para mostrar os benefícios do seu produto. Isso pode ser direcionado para o seu canal principal, e se tornar uma verdadeira máquina de geração de leads.

3 dicas para começar a vender online

Patrocinado

Já ficou claro que o processo de vendas online pode gerar muitos frutos, mas não é simples. O empreendedor deve ter certeza que esse será o caminho, e estar preparado para muito planejamento e foco.

Mas, para te ajudar, vamos trazer aqui algumas dicas que te direcionarão melhor nesta jornada digital:

1 – Defina seu produto

Esse é um ponto que de tão essencial, parece óbvio. Mas acredite, um erro muito comum de comerciantes digitais é a tentativa de abraçar o mundo, e não segmentar o seu mercado.

Por isso, a dica aqui é tentar focar o máximo possível em um nicho específico. Isso permitirá que você enfrente menos concorrência, e tenha mais facilidade para montar sua estratégia de vendas. Após essa etapa, cabe definir o que será vendido.

2 – Defina o seu público

Patrocinado

Depois de definir o que será vendido, é interessante fazer um estudo de público alvo. Isso quer dizer entender exatamente quem se interessaria pelo seu produto, e como fazer para atingi-lo com os esforços de marketing digital.

Assim como na dica acima, quanto mais aberto for o seu foco para público, mais dificuldade você terá para realmente gerar interesse. 

3 – Defina o canal de vendas

O próximo passo, como mencionamos no começo do texto, é entender onde seus produtos serão vendidos. Hoje existem diversas opções diferentes, que também trazem os seus benefícios próprios. Cabe a cada empresa entender qual é a sua necessidade, e o tamanho de sua operação.

Alguns exemplos de canais para se considerar são:

Conclusão

Assim como explicamos no nosso guia sobre e-commerce, a internet é uma ferramenta muito poderosa para vendas. Com a vantagem de ser cada vez mais acessível, as possibilidades de sucesso são grandes. 

Porém, esse formato exige alguns cuidados específicos de quem está liderando a operação. A experiência do cliente, por exemplo, pode definir se ele irá decidir gastar seu dinheiro no seu site. 

Então, além desse guia, cabe a cada empreendedor buscar ainda mais informações para se preparar o melhor possível.