O primeiro passo para o fim do conservadorismo na contabilidade

0
503

A transformação digital chega em pequenos passos na área de finanças e contabilidade e no bate-papo que tivemos com o Guilherme Baumworcel – CEO da Rupee e especialista no assunto – vamos entender um pouco mais desse processo.

Confira aqui o vídeo de nosso bate-papo na íntegra!

O panorama no cenário das contabilidades

Perguntamos ao Guilherme o que ele vê do panorama de transformação digital. “Qual tem sido a evolução disso para o cenários das contabilidades? Sabemos que isso impacta não só a contabilidade como quem contrata a contabilidade. Como você tem visto isso?”

Guilherme: “É muito importante começar essa resposta explicando que a responsabilidade sobre a contabilidade de todas as empresas é do empresário e não o contador. A maioria das pessoas entende que o contador é o responsável e bota na mão do contador e acha que está tudo certo, e na verdade não. O responsável legal pela empresa é o empresário, o contador é o especialista, o prestador de serviço especialista em fazer esse serviço pra você. Então, saber o que está acontecendo dentro da contabilidade é muito importante.

Outra coisa que é legal falar no mercado de contabilidade, é que a Receita Federal e as receitas estaduais e municipais que são os cobradores tanto da parte financeira quanto das declarações que têm que ser enviadas, a Receita Federal já é 4.0, então a Receita Federal já passou por todos os estágios e hoje ela está em nuvem, ela usa inteligência para fazer análise de big data, então do outro lado a gente já tem um cobrador, um órgão fiscalizador 4.0.

Do lado dos empresários e dos contadores a evolução e a inovação está começando agora, nesses últimos anos e aí nós temos alguns players que estão “marcando” e que estão acontecendo conforme a necessidade e a dor de cada contador e de cada contabilidade, por exemplo: Nota fiscal eletrônica para mercadoria. É muito difícil você controlar todas as notas fiscais de entrada. E dessa dor nasceu alguns players interessantes de gestão de nota fiscal eletrônica, depois a gente começou a ver questão que fluxo de caixa com contabilidade agregada era uma necessidade em nuvem porque a maioria dos ERPs eram locais, dentro dos servidores, então começaram a surgir uma série de players que fazem a gestão de fluxo de caixa integrada a contabilidade como também em nuvem. E por fim, começam a surgir os players como Rupee que é a ponta final que fecha esse ciclo que é como, depois que eu tenho tudo isso, como que eu controlo.

Contabilidades que já deram o primeiro passo

E até pra entender melhor o que que você vê hoje como, algumas contabilidades talvez que já estão mais avançadas, ou que daria para dizer que já estão o que seria o “estado da arte” de transformados tecnologicamente e usando um stack para contadores com um bom fluxo. O que que isso significa, como que isso é hoje em termos não só de ferramenta mas de cultura e processo dessas contabilidades?

Segundo Guilherme, “as contabilidades que estão com 100% de adoção a inovação, eles ainda são early adopter, eles ainda estão começando. Para o contador, apesar da receita federal estar lá na frente, o contador é muito conservador, a natureza da profissão é ser conservador, um dos princípios básicos da contabilidade é o princípio do conservadorismo, então os early adopters usam CRM para fazer gestão dos clientes, poucos deles estão usando alguma coisa de marketing digital para falar com o cliente ou para trazer clientes novos eles ainda estão no canal “boca-a-boca”.

Eles têm algum ERP na nuvem que é ter dentro da contabilidade o contábil, o fiscal e folha de pagamento, eles já têm também softwares de gestão de folha de ponto dentro do cliente deles e também relógio digital no celular, então eles também já adotam isso para facilitar as informações que estão vindo do cliente pra ele e para fechar tudo eles já estão adotando o controle e a comunicação com o cliente.

A maioria dos empresários têm a percepção que o contador só vai de entregar o tributo mas por outro lado ele tem uma série de declarações que ele está entregando do seu modo, então a adoção do Rupee está vindo pra fechar esse ciclo por que é um controle das entregas de todos os tributos e declarações e pro cliente ou contador externo ou interno de uma empresa, dá uma transparência maior se você tem um sistema que você tenha arquivado todos os documentos que foram entregues, que foram pagos, que estão sendo trabalhados pelo contador.”

“Também quero ser 4.0”

Então, pelo que entendemos, a grande parte das contabilidades sejam internas ou empresas específicas disso, ainda estão no cenário “early adopter” – são aqueles poucos que estão um pouquinho mais avançados.

No caso, para o público geral, para as contabilidades gerais, as que começam a ter esse anseio de “poxa, eu tenho que fazer alguma coisa, quero entrar nesse 4.0” – qual que é o primeiro passo? Por onde você recomendaria elas começarem?

Guilherme: “Primeiro passo é entender que existe o que falamos muito que são as fintechs, que é a revolução do mercado financeiro, do mercado da “bancarização” e da “desbancarização” e entender que existe agora o Accounting Tech, esse mercado, esse ecossistema que é um conjunto gigante de soluções contábeis, fiscais e de folha que podem melhorar a vida do contador, por que o contador trabalha muito, 24 horas por dia. Então, ele entendendo que existem soluções, é o primeiro passo. Puxando a sardinha para o meu lado e pensando em uma pirâmide de necessidades, eu acho que antes de você fazer cruzamento, eu acho que você tem que conseguir controlar, então uma ferramenta de controle de entrega é o início.

Existem diversas ferramentas de controle que não são específicas de contabilidade, pode usar uma de projetos como o Trello, Asana.. mas ele pode usar o Rupee que vem com inteligência, com algoritmo, já com as declarações todas já pré-cadastradas e customizadas para cada cliente.”

Quem quiser entender um pouco mais disso, de Accounting Tech ou simplesmente ferramentas relacionadas a finanças e contabilidade, temos essa categoria aqui no B2B Stack onde você pode procurar por várias ferramentas, no quadrante inclusive Rupee em primeiro lugar!

 

“O B2B Stack é uma plataforma independente de avaliações, que traz muito valor para essas ferramentas B2B porque você consegue dar visibilidade tanto para mim que estou desenvolvendo, em ouvir o cliente quanto para outros clientes potenciais saberem se a minha ferramenta é a melhor ou não, ou se é outra ferramenta – por que na verdade não existe a melhor ferramenta existe a ferramenta que vai mais aderir a sua necessidade, então ouvir de outros é a melhor coisa!”

Acesse agora a nossa plataforma – escolha a melhor ferramenta para o seu negócio e avalie alguma que usa ou já usou.

Até o próximo vídeo!